Centro de Radiologia

O espaço que encontramos é escuro, soturno, desajustado no tempo. Foi-me proposto pelos médicos que ali exercem as suas funções que o dotasse das qualidades necessárias ao seu bom funcionamento, segundo os princípios vigentes no “Manual de Boas Práticas de Radiologia”.

O edifício de habitação dos anos 30, situado numa cidade balnear, a Figueira da Foz, faz parte de uma lista de bons exemplos de construção de uma época áurea, estilo Art Déco.
Neste edifício funciona um Centro de Radiologia, no 1º piso, desde os anos 60.
A estrutura do espaço é a de uma habitação com corredor central que distribui para espaços com iluminação natural, à direita e para espaços interiores, à esquerda. Esta última característica em nada prejudica a qualificação do espaço, visto que a prática da radiologia rejeita qualquer tipo de iluminação natural, dando preferência a uma iluminação artificial facilmente manipulável. Das salas de exames procura-se, no exterior, a luz.
O desenho de um espaço caracterizado pela marcação rítmica do percurso através da luz foi o princípio conceptual do projecto. Luz desenhada nos tectos, luz indirecta, direccionada aos tectos ou contida em paredes. O espaço da sala de espera abre-se ao exterior, recebe a luz natural e faz a sua distribuição pelos restantes espaços. Constitui um prolongamento da área de chegada-atendimento-recepção. Aqui, a parede composta por caixas de vidro opalino configura em forma de luz o acolhimento do utente.

Inicia-se o desenrolar de um percurso por um corredor longo e curvo que distribui os utentes pelos vários espaços do Centro. Acentua-se um ritmo, no percurso, marcado pelo desenho de um lambrim em contraplacado preto que é interrompido pela introdução de portas brancas que ocupam a altura total do pé direito. A imagem caracterizada por uma porta de duas folhas no fim do percurso no corredor é um espelho da mesma imagem no seu início e revela a existência de duas direcções possíveis.
Foi criado em todo o espaço um forte ambiente de contraste preto e branco acentuado pela iluminação, podendo estabelecer uma analogia com a prática da radiologia: o líquido de contraste que o utente toma e o feixe de luz que lhe é projectado produzem a radiografia.

O espaço foi totalmente reorganizado do ponto de vista funcional, de onde resultaram três zonas relevantes: zona de utentes constituída pelas áreas de atendimento, recepção e espera, corredores de circulação e instalações sanitárias (masculinas, femininas e de pessoas com mobilidade condicionada); zona de apoio constituída pela sala de relatórios e câmara escura; zona de exames constituída pelas salas de exames (radiologia convencional, ecografia, mamografia e tomografia) e pelos respectivos vestiários.
A implantação de uma área de atendimento/recepção ampla, capaz de responder às solicitações dos fluxos do Centro foi um dos pontos mais importantes.
As salas de exames são dotadas de tectos perfurados acústicos para privilegiar um ambiente de silêncio e de tranquilidade, mas também decorativo pelo facto do utente passar a maior parte do tempo a olhar para eles.

O mobiliário foi desenhado e construído com a mesma matéria dos lambrins: o balcão de atendimento, as mesas de trabalho, a mesa de apoio, o porta-revistas, as caixas de lixo; os porta-exames e os móveis de apoio foram lacados a branco como todas as portas do Centro. As cadeiras brancas foram escolhidas para darem continuidade a um ritmo marcado pelo contraste de elementos brancos que se destacam do lambrim em contraplacado preto.
No que respeita aos meios de conforto, higiene e segurança os espaços dispõem de redes de infraestruturas eléctricas, de iluminação, rede de telefones internos e externos, rede estruturada de informática e rede de segurança contra incêndios e intrusão. Dispõe também de um sistema de climatização e de ventilação em todo o Centro.
Todos os espaços são dotados de sinalética para conferir uma adequada percepção das disposições internas das unidades de radiologia assim como de painéis informativos.
Esta obra pretende garantir o direito ao utente de obter os níveis de qualidade de serviço, organização e funcionamento, aliado a um ambiente contemporâneo, exigível nos nossos dias.

-

Informação Técnica
Engenheiro Estrutural: Ulisses Gonçalves, Paulo Aleixo
Datas: 2003 - 2004
Fotografia: FG+SG Fotografia de Arquitectura

-

Publicações:
Arquitectura Ibérica #11 Equipamentos, Caleidoscópio, Outubro 2005
AIT Architektur | Innerarchitektur | Technischer Ausbau, Novembro 2005
FG + SG - Fotografia de Arquitectura | www.ultimasreportagens.com
Europa Concorsi | europaconcorsi.com

Centro de Radiologia da Figueira da Foz

Remodelação | Rua Maestro David de Sousa - Figueira da Foz